Lavrando Pa
Pesquisa

Uma Aventura nas Férias de Natal
Por Ana Amélia Patacho (Aluna, 6.ºC), em 2013/12/08714 leram | 0 comentários | 101 gostam
A aluna Ana Amélia Patacho escreveu um conto intitulado "Diamantina,a Dançarina".
Diamantina, a Dançarina

  Era uma vez uma menina chamada Diamantina, muito pobre, que dançava muito bem. Ela vivia em Bariloche, no Sul da Argentina,sozinha,na rua. Vestia-se com trapos muito finos, com muitos buraquinhos, por onde o vento entrava e gelava o corpo frágil da menina. Tinha dez anos e não tinha apelido.
  A Diamantina sonhava com o mundo do espetáculo. Ela sentia-se insignificante e abandonada no meio de tanta gente, por isso, achava que nunca conseguiria realizar o seu sonho. Preferia ir dançar para o bosque, onde nem a neve gelada enrolada nos seus pés a incomodava.
  Uma vez, viu muita gente a ir às compras, pois o Natal aproximava-se. Então, pegou num chapéu e começou a dançar. Por acaso, tinha chegado à cidade um grande músico à procura de jovens talentosos. Passou por Diamantina e, entusiasmado, gritou:
  - Bravo, bravo! A menina é que sabe dançar!
  Sobressaltada, ela parou.
  - Bravo, bravo! – repetiu o homem. – Parabéns, minha cara! Se quiseres, dou-te a oportunidade de te tornares uma estrela!
  Toda a gente ficou admirada: seria a vez de Diamantina brilhar como um diamante?
  Gaguejando, ela logo respondeu que sim. Entrou com o músico na limusina branca e começaram uma grande viagem até Londres. Seria um sonho ou era mesmo realidade? Talvez estivesse a ser tudo fácil demais… Chegaram a 17 de dezembro e a Diamantina foi levada para um hotel de cinco estrelas. Instalou-se e começaram logo a treinar passos de dança no auditório do hotel, pois o músico queria marcar um espetáculo para o dia de Natal. Teriam mais bailarinos a participar, mas a menina seria a protagonista!
  Quando chegou o dia de Natal, muita gente veio ver Diamantina, a Dançarina e tudo correu bem. No final, ofereceram-lhe flores e ela pensou: “Agora tornei-me numa estrela! Realmente, é um milagre de Natal!”



                   Ana Amélia de Sousa Patacho, n.º1, 5.ºC


Comentários

Escreva o seu Comentário