Lavrando Pa
Pesquisa

Concurso de Matemática- Pangea
Por Márcia Dias (Aluna, 8ºB), em 2013/06/071751 leram | 4 comentários | 110 gostam
Chama-se Gonçalo Duarte Reis Neves, tem 10 anos e frequenta a Escola Básica de Lavra. Neste momento, encontra-se no 5º ano na turma D. É um excelente aluno a Matemática e foi representar Portugal num concurso internacional de Matemática.

   Márcia (M.) – Olá, Gonçalo! Para ti o que é a Matemática?
   Gonçalo (G.) - A Matemática é trabalhar com números, saber fazer contas, achar áreas e perímetros, saber nomes de sólidos, figuras, pensar e raciocinar.

   M. - Nós sabemos que foste a um concurso Nacional de Matemática. Como decorreu esse concurso e como se chama?
   G. - O concurso chama-se Pangea e foi dinamizado pelas professoras de Matemática do segundo ciclo.
   O concurso tem problemas de Matemática, cada exercício pode ir de um a cinco pontos conforme a dificuldade. Cada concorrente/aluno tinha uma hora para responder a todas as questões.
   Este concurso foi realizado por duas fases: a Nacional e quem ficou em primeiro ou em segundo foi à fase Internacional.

   M. - Como te correu o concurso, qual foi a classificação que obtiveste e o que ganhaste?
   G. - O concurso correu-me bem. Eu fiquei em primeiro lugar a nível nacional, com uma pontuação de setenta e nove em oitenta e cinco. Recebi um ipod touch e ganhei a oportunidade de ir representar Portugal na fase internacional deste concurso.

   M. - Como foste apurado para a fase internacional e onde se realizou?
   G. - Como referi acima, eu fiquei em primeiro na fase nacional e tive a oportunidade de ir representar Portugal em Berlim, na Alemanha.

   M. - Como foi a viagem e quem te ia a acompanhar?
   G. - Eu fui acompanhado pela minha mãe e por um dos responsáveis do concurso em Portugal, o Senhor Selcuta. A viagem correu bem, e estive uma semana na Alemanha, do dia treze ao dia dezoito de maio. Foi a primeira vez que andei de avião e adorei!

   M. - Como te sentiste?
   G. - Fiquei muito emocionado e ansioso, pois foi uma experiência fantástica!

   M. - Como era a nossa equipa portuguesa? Quantos elementos tinha?
   G. - A equipa portuguesa era formada por seis elementos, dois do quinto ano, dois do sexto ano e dois do sétimo ano. Eles eram todos bons alunos.

   M. - Quando e como decorreu o concurso internacional?
   G. - O concurso foi no dia 15 de maio, na quarta-feira de manhã. As regras eram as mesmas. Eu senti-me bem a realizar a prova, mas um pouco nervoso… Consegui o que queria que era chegar ao pódio. Assim foi, fiquei em terceiro lugar na fase internacional, recebendo a medalha de Bronze e cinquenta euros. Todos os seis concorrentes portugueses ficaram bem classificados.

   M. - Como eram os exercícios da prova?
   G. - Os exercícios exigiam muita concentração. Havia exercícios para cada ciclo. No meu caso, falavam sobre métodos aritméticos, áreas e perímetros, pesos e cálculos.

   M. - Quando é que te entregaram o prémio?
   G. - Na quinta-feira, realizou-se uma cerimónia de entrega de prémios, em que eu recebi a minha medalha de bronze e o dinheiro!
   Demorou cerca de três horas a cerimónia. Esta consistiu em duas partes: a primeira era parte era a da Alemanha, que durou cerca de duas horas e meia e a segunda parte era da Europa que demorou cerca de quinze a trinta minutos. Os prémios foram entregues pelos professores que se destacavam na área da disciplina de matemática.

   M. - Quantos alunos participaram no concurso?
   G. - No concurso participaram cerca de cento e quarenta e cinco mil alunos, tendo Portugal apenas seis alunos. Portugal era o país com menos alunos. O país com mais participantes era a Alemanha.
   M. - Onde se realizou a fase internacional?
   G. - A fase internacional realizou-se numa escola.

   M. - Onde ficaste durante uma semana na Alemanha e o que fazias nos outros dias que não tinhas o concurso?
   G. - Bem, eu, no primeiro dia, instalei-me no hotel Agas. Durante todos os outros dias, fui visitar a parte histórica de Berlim e fiquei a conhecer um pouco da sua história. Também visitei o parlamento, o muro de Berlim, subi a uma torre panorâmica, visitei o parlamento luso-alemão, as portas de Berlim e a casa de uma família turca.
   Na federação luso-alemã fizemos grupos de dois elementos, um aluno alemão e outro aluno português. Nós resolvemos exercícios de Matemática e tivemos de comunicar em inglês.

   M. - Achas que este concurso, para além de organizar estes encontros nacionais e internacionais, tem algum outro objetivo?
   G. - Sim, acho que este concurso é uma forma de motivar para a disciplina de Matemática e ajudar a encarar esta disciplina com mais agrado.

   M. - Bem, agora, que já sabemos o quanto és bom em Matemática, como te sentes com tudo isto?
   G. - Sinto-me feliz e para o ano estou a pensar voltar a concorrer, mas dessa vez para o primeiro prémio!

   M. - Gostarias de agradecer a alguém?
   G. - Sim, queria agradecer aos meus pais por me acompanharem em tudo e à minha professora de Matemática, Ana Marta.
   Gostaria de pedir a todos, para visitarem o site: www.concurso-de-pangea.com.pt. Lá, encontrarão toda a informação necessária sobre este concurso.

   M. - Gonçalo, muito obrigada pela tua atenção e parabéns! Continua assim e vais conseguir o que pretendes. Gostei de te conhecer e até à próxima, beijos.
   G. - Beijinhos e obrigada.

   Devemos registar que o Concurso Pangea é organizado em doze países europeus: Alemanha, Áustria, Dinamarca, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Hungria, Itália, Polónia, Portugal, República Checa e Suíça.
   Com o lema "A matemática une", jovens de doze países têm a possibilidade de se encontrarem, para partilharem as suas experiências de matemática.

Entrevista conduzida por Márcia Dias, 8.º B

Mais Imagens:

Comentários
Por Daniela Campos (Aluna, 6º. D), em 2013/11/04
Parabéns Gonçalo! És esperto e uma boa pessoa. Mereces tudo de bom na vida!
Viva a matemática!!!
Por Inês Perdigão (Aluna, 6ºA), em 2014/01/25
Muito bem, Gonçalo, és um génio da Matemática!
Por Mariana Perdigão (Aluna, 8ºB), em 2014/01/24
Viva a matemática!!!
Por João Oliveira (Leitor do Jornal), em 2014/04/15
Um dos responsáveis chamava-se Selchuk e não Selcuta é só um erro nada de mal :)

Escreva o seu Comentário